junho 25, 2024
Darwinismo morto
Divertidamente
O ‘São João’ de minha infância
Curso de Teatro Pandora
Museu da Língua Portuguesa
Rosas desérticas
Convidada
Últimas Notícias
Darwinismo morto Divertidamente O ‘São João’ de minha infância Curso de Teatro Pandora Museu da Língua Portuguesa Rosas desérticas Convidada

Esfinge

Print Friendly, PDF & Email

Pietro Costa: Poema ‘Esfinge’

Pietro Costa
Pietro Costa
"Se a poesia não nos decifra... somos ideias repetidas"
“Se a poesia não nos decifra… somos ideias repetidas”

Inebriado eu me sinto
Não pelo teor alcoólico
Propriamente dito

É pelo poema sorvido
Pela música tocada
Pelo arranjo inventado
Pela amizade celebrada
Pelo banquete servido
Pela noite enluarada
Pelo eclipse avistado 
Pela estrela iluminada
Pelo sorriso revidado
Pela lágrima derramada
Por seus olhos famintos
Esfíngicos
A decifrar minha tara  

Musa que nos enleva
Encanta
Engana
Atiça
Enfeitiça

A todos, brinde
Em doses abrasantes 
E ‘shots’ extenuantes
De dores e amores
A todos, acinte

Somente a poesia nos salva
Sem ela, somos almas penadas
Nadas semânticos, cacofonias
Devorados pela fobia de vida
Dilacerados pela apatia

Se a poesia não nos decifra
Somos afetos sabotados
Vírgulas sem pausa e causa
Parágrafos sem nexo 
Desafetos do sexo
Ideias repetidas


Pietro Costa


Contatos com o autor

Voltar

Facebook

Pietro Costa
Últimos posts por Pietro Costa (exibir todos)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Pular para o conteúdo