julho 13, 2024
Suspiro de saudade
Por aonde andei?
Paçoca, uma Jornada de Amor e Transformação
Academia Itapetiningana de Letras celebra 21 anos de história
Prêmio Caminhos da Literatura 
Valsa dedilhada
Neblina nas montanhas
Últimas Notícias
Suspiro de saudade Por aonde andei? Paçoca, uma Jornada de Amor e Transformação Academia Itapetiningana de Letras celebra 21 anos de história Prêmio Caminhos da Literatura  Valsa dedilhada Neblina nas montanhas

A carne de quem ama

Print Friendly, PDF & Email

Letícia Mariana: Poema ‘A carne de quem ama’

Leticia Mariana
Letícia Mariana
"Minhas lágrimas eram sangue invisível"
“Minhas lágrimas eram sangue invisível”
Criador de imagens do Bing

Amanheci incendiando meus dizeres,
Banhei meu suor com seus afiados olhos.
Senti a dor do peito de quem sofre,
A carne estúpida de quem ama.
Minhas lágrimas eram sangue invisível – invisibilidade tamanha.
Minhas queixas eram histeria – mentira que você guarda de forma insana.
Quem ama não enxerga a morte,
Quem ama ignora que está morrendo.
Quem ama quer contar com a sorte,
De um tempo onde só há sofrimento.
Quem ama não calcula o prejuízo,
Quem deseja não semeia o eu lírico.
A carne de quem ama é ferida aberta,
A carne de quem ama jamais desperta.


Letícia Mariana


Contatos com a autora


Voltar: http://www.jornalrol.com.br

Facebook: https://facebook.com/JCulturalRol/

Leticia Mariana
Últimos posts por Leticia Mariana (exibir todos)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Pular para o conteúdo