maio 20, 2024
Mariposas e borboletas
Aplicações argumentativas
À Olavo Bilac: Um tributo poético
Florão da América
Marcos Peniche recebe Diploma de Honra ao Mérito da OIPALPO
Brincando com os sonhos
A paz
Últimas Notícias
Mariposas e borboletas Aplicações argumentativas À Olavo Bilac: Um tributo poético Florão da América Marcos Peniche recebe Diploma de Honra ao Mérito da OIPALPO Brincando com os sonhos A paz

Solidão

Print Friendly, PDF & Email

Ana Kelly: Poema ‘Solidão’

Ana Kelly
Ana Kelly
Não vive a alma que espera, inerte no próprio corpo, enquanto o mundo a dilacera
Não vive a alma que espera, inerte no próprio corpo, enquanto o mundo a dilacera
Criador de imagem do Bing

Não vive,
A alma que espera.
Inerte
no próprio corpo.
Enquanto o mundo
a dilacera.

Perdida em
sua própria dor.
Petrificada com seu reflexo.
É linda, é bela.
Mas não há piedade para ela.

Estática em um
mar de escuridão.
Ela é o próprio vazio,
Ela é a solidão.

Ana Kelly


Contatos com a autora


Voltar: http://www.jornalrol.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/JCulturalRol/

Ana Kelly
Últimos posts por Ana Kelly (exibir todos)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Pular para o conteúdo